[Crônica ] Não te reconheço mais

em 11 de mai. de 2022

 

Olha você aí, alguns anos atrás eu morreria por um abraço, um beijo ou um simples sorriso seu, mas hoje te olhando não me vejo mais ao seu lado, mudei mas tudo bem porque você também mudou e isto de certa é algo bom, há mudanças que são extremamente necessárias para nossa evolução. 

Lembro de quando nos conhecemos naquele lugar e no meio de tantas pessoa bonitas foi a mim que você escolheu e eu aceitei sua mão porque para mim você era como um príncipe sabe desses contos de fada que chega para salvar a mocinha e eu era a mocinha em perigo naquele momento, um tanto fútil e egoísta sim mas você me escolheu e me amou do jeito que eu era. E neste mundo é tão difícil encontrar alguém que  conheça nossos defeitos e apesar deles queira ficar, mas você ficou e foi um longo tempo de felicidade. A gente nem brigava, sabíamos conversar um com o outro e evitamos fazer coisas que desagradassem o outro, sabe é tão raro encontrar alguém assim que coloque o outro em primeiro lugar.

As pessoas hoje estão mais preocupadas com elas mesmas do que com o outro em si. E foi um ano de namoro depois veio o noivado e o casamento e foi o segundo melhor dia da minha vida, sim porque o primeiro foi quando te conheci. Nossas famílias e amigos ali festejando nossa união, foi uma festa tão linda e quando demos por nós já estávamos com cinco anos juntos então veio nosso pequeno príncipe que foi como o selar de nossa tão feliz união. Mas aí tudo desandou, na época eu não sabia onde estava errando mas no fundo talvez eu soubesse, e começamos a brigar em vez de conversar como antes fazíamos então depois de tantas aventuras juntos veio a separação. Eu te expulsei da nossa casa e também da minha vida, estava muito magoada e houveram várias tentativas de conversar mas em nenhum você cedeu.

Até que vi que era realmente o fim, então segui minha vida, não foi fácil, eu tinha me casado e me preparado para ficar com você para sempre, eu me programei para ver suas primeiras rugas e cuidar de você até que partimos desta vida, me programei para um dia como outro qualquer quem sabe em uma tarde de domingo passear junto contigo e ambos já com nossos cabelos brancos aproveitando a tarde ou o pôr do sol.  E eu te culpava por ter destruído toda minha vida ilusória, toda minha vida perfeita que eu criei por nós dois. Você era culpado por destruir meus sonhos, minha ilusões. Durante um tempo eu passei a te odiar. Então no auge da depressão eu vi aquela criaturinha que era o fruto do nosso amor já extinto, e ele me deu forças para sair da depressão, foi por ele que vivi e fiz por onde ter uma carreira, um trabalho digno pois meu filho, nosso filho tinha que sentir orgulho de mim. 

E  o tempo passou, tudo passou. 

Aprendi tanto contigo e com o nosso fim, te agradeço por isso sem nosso término jamais poderia ter a maturidade que tenho hoje. 

Hoje consigo ver onde errei e onde você errou, a verdade é que nós fomos nos perdendo aos poucos e não percebemos isso, eu te perdoo, seria ruim se não perdoasse porque no fundo já não tenho mágoa nenhuma. 

Hoje te olho e não te reconheço, não me vejo mais em teus olhos, e é muito triste ver alguém que significou tanto pra nós e não reconhecer a pessoa, você para mim é um estranho que não quero conhecer porque sei todas as manias e já hoje não as suporto. 

Eu te perdoo mas não te quero mais, cresci, amadureci e hoje não deixo que minha felicidade  dependa de ninguém, sou auto suficiente, me acostumei a minha própria companhia. 

Minha feridas estão cicatrizadas e sei que em breve estarei preparada para um novo amor. 


💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕

Inspirado em alguns relatos.

Gostou?

Então curta, comente, compartilhe!

Ana  


Um comentário:

  1. Tanto que há para dizer sobre amor e desamor. O que um dia pareceu importante, hoje já nem lembrança é...
    Beijinhos
    Coisas de Feltro

    ResponderExcluir

Paginação numerada



Destaque

Sinceridades

  Hoje acordei mais racional. Ouvi meu coração que me xingava por ter deixado uma suposta chance de ser feliz escapar. Mas acontece que não ...

Topo