[Crônica] Tenho orgulho da minha geração

em 18 de ago. de 2021

Quando eu era adolescente e acreditava em contos de fadas, vivia sonhando com um príncipe encantado que chegaria (sem o cavalo branco é claro rsrsrs) para me salvar (não sei de quê mas enfim) e juntos seríamos felizes para sempre (ah sim o famosos para sempre ou o juntos até que a morte os separe), naquela época eu tinha um tipo muito específico é claro, porque se era príncipe então ele deveria ser loiro, alto e de olhos azuis ou verdes. O fato é que o tempo mostrou que a aparência não importa para duas pessoas se amarem e aprendi a valorizar as características da personalidade da pessoa invés de aparência. 

Hoje dou risadas da adolescente que eu era na época cheia de sonhos e inseguranças, tão insegura que não era capaz de dizer um oi para pessoas conhecidas ou desconhecidas, o tempo me fez bem e agradeço ter passado e trago com  ele a maturidade que tanto precisava, claro que derramei algumas lágrimas no caminho. 

Mas elas foram necessárias para o meu crescimento e você pode até não concordar comigo, mas um dia você entenderá da mesma forma que eu, se hoje você passa pelo que passei. Cada um de nós independente de geração traz sua própria bagagem e acredite que ela é necessária.

Outro dia estava olhando alguns posts no Instagram e vi em meu Feed uma postagem da autora JV Leite que me lembrou do texto que li sobre a briga entre Milleniuns e Geração Z. A verdade é que ultimamente estou tão desligada das redes sociais que não tinha visto que o assunto virou polêmica e palco para uma boa discussão. 

  A verdade é que as nossas gerações são realmente distintas, são grandes as diferenças, verdade seja dita. E não adianta dizer que somos todos iguais, gente não somos, somos diferentes e essa nossa diferença é que torna a vida mais interessante e completa.  Te pergunto o que está faltando entre as duas gerações?  Eu digo que apenas compreensão. Precisamos saber entender que somos seres humanos independente de qual geração fazemos parte somos diferentes sim e esta diferença é que nos torna únicos.  

Sim eu amo um bom anime e os desenhos da época confesso que até hoje se tenho tempo vejo para matar a saudade, sou fã das músicas da década de 90 e início dos anos 2000, fãs de bandas como KLB, Roupa Nova, Família Lima e Kid Abelha, ah eu realmente amo. Sei navegar na internet como ninguém, mas confesso que o vocabulário de alguns internautas me assusta, porque às vezes não sei o que eles dizem. Aprendi a amar alguns desenhos e programas desta geração porque assim como minha geração tem coisas tóxicas, esta também tem. Mas serei bem sincera as vezes sinto falta de quando a internet não era isso tudo e podíamos olhar na cara um do outro sem deixar comentários maldosos na publicação de alguém, só porque você está em um mal dia. 

Sinto falta de às vezes telefonar e ficar horas penduradas conversando ou na expectativa de receber uma carta ou cartão postal. Falta de olhar a rua e ver ela cheia de crianças a brincar de brincadeiras tão bobas como rouba bandeira ou passar  anel. Porque os dias atuais são dias perigosos e a diversão se encontra toda em eletrônicos, apesar de eu  tbm curto jogos de celular ou computador, então não me critiquem. 

O tempo como disse no início do post passou e não sou nem sombra daquela adolescente mas eu devo a ela, porque foi a minha base. Então a você que está lendo isto, seja feliz contigo mesmo, aprenda a reconhecer suas qualidades e se aceite do jeito que você é, porque você vale muito. 

Então pessoal é isso e hoje não tenho avisos, só se cuidem!


Curtiu?

Então segue o blog, comente e compartilhe!


Beijos Escritos,


Márcia Lima



LEIA MAIS

Paginação numerada



Destaque

Sinceridades

  Hoje acordei mais racional. Ouvi meu coração que me xingava por ter deixado uma suposta chance de ser feliz escapar. Mas acontece que não ...

Topo